A Justiça Federal do Espírito Santo autorizou um grupo atacadista de peças, pneus e acessórios para bicicletas, triciclos e motocicletas e retirar o PIS e a Cofins de base de cálculo das próprias contribuições sociais. A sentença ainda garante a devolução do que foi pago nos cinco anos anteriores ao ajuizamento da ação. Os valores, porém, não poderão ser restituídos via precatório. Apenas por meio de compensação administrativa.

A decisão, da 2ª Vara Federal Cível de Vitória, teve com base o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou, por meio de repercussão geral, a retirada do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins. Desde a adoção do entendimento pelos ministros, em março de 2017, os contribuintes têm conseguido emplacar ouras teses sobre o assunto, inclusive no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Na sentença ( processo n° 5016544-85.2018.4.02.5001), a juíza Enara de Oliveira Olimpio Ramos Pinto entendeu que o mesmo raciocínio se aplica às contribuições sociais. De acordo com ela, “o valor arrecadado não incorpora ao patrimônio do contribuinte, não  incorpora ao patrimônio do contribuinte, não representando faturamento ou receita, mas são apenas ingresso de caixa, daí a razão pela qual não compõe a base de cálculo para incidência do PIS e da Cofins”.

A questão foi analisada mesmo com a argumentação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) de que ainda está pendente pedido de modulação da decisão do Supremo (RE 574.706), para evitar efeitos retroativos (ex tunc). A juíza levou em consideração o fato de os ministros não terem determinado a suspensão dos processos afetados pelo julgamento.

Entendeu ainda que não “se pode presumir que haverá modulação  dos efeitos”. E criticou o uso do mecanismo: “Em demandas tributárias, já virou corriqueiro a União requerer a modulação dos efeitos, inclusive por meio de embargos de declaração, quando o assunto já poderia ter sido suscitado em razões ou contrarrazões recursais, de forma que isso alarga mais ainda o tempo do processo”.

Há poucas decisões sobre a retirada do PIS e Cofijns da própria base de cálculo das contribuições sociais. A tese foi levada aos tribunais depois do julgamento do STF, segundo advogados. No pedido, segundo juíza, os autores citam outro entendimento favorável em mandado de segurança (n° 5016294-16.2017.4.04.7108), da 1ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS). No caso, o magistrado também decidiu que os fundamentos no julgamento do RE 574.706 eram “plenamente aplicáveis” ao caso.

Com 24 página, a nova decisão, de acordo com o advogado do grupo atacadista, Marcelo Augusto Gomes da Rochas, do CM Advogados, está bem fundamentada e pode servir que precedente  para empresa de qualquer ramo de atividade. “Com esse e outras decisões, como a do próprio ICMS na base de cálculo do PIS/ Cofins, cada mais o contribuinte poderá excluir de sua apuração todos os valores que não acompanham sua receita”, diz. Para o advogado Allen Moraes, do Salusse Marangoni Advogados, o entendimento do STF e a proliferação das chamadas teses filhotes acabaram gerando uma verdadeira reforma tributária”. “Vamos levar anos para mensurar as consequências dessa decisão”, afirma o tributarista.